Porque o investidor de dividendos deve ignorar preço

Porque o investidor de dividendos deve ignorar preço

Atualmente somos bombardeados com informações sobre mercado de ações em qualquer lugar que vamos, seja direta ou indiretamente tem algo ali relacionado. Você pode encontrar preço das ações e noticias sobre o mercado em muitos canais de TV, jornais, internet e até mesmo numa simples entrada num elevador.

Esse excesso de informação cria uma sobrecarga, que gera um impulso de comprar e vender ações. No entanto, isso pode ser muito perigoso para sua independência financeira. Pesquisas mostram que investidores que negociam ativamente no mercado geram retornos mais baixos que até mesmo os ETFs. Na verdade, a estratégia mais inteligente para um investidor de longo prazo é ignorar as flutuações de curto prazo nos preços e concentrar-se nos fundamentos.

Concentre-se nos fundamentos das empresas visando o longo prazo. Entender como a empresa funciona e as implicações externas sobre seu case de negócio, o problema que leva-se tempo para isso. Se os lucros estão subindo, o mercado vai premiar as empresas aumentando o seu preço e a empresa será capaz de recompensar seus acionistas com dividendos maiores.

Os preços das ações as vezes ficam separados dos fundamentos, no entanto, é quando a paciência dos investidores de dividendo é testada.

Durante a euforia do mercado acionário, os investidores fiéis aos dividendos tendem a sentir-se fora de sincronia com o resto do mercado, quando ações que não distribuem dividendos tendem a entregar temporariamente crescimentos de dois dígitos.

Como investidores de dividendos, devemos estar prontos para aproveitar desses momentos onde os preços das ações caem. Vejo esses momentos como oportunidades para adicionar mais ações ao portfólio. Depois disso eu espero pacientemente as empresas executarem suas estratégias e prosperarem, mesmo que o mercado de ações demore anos para reconhecer. Desde que os fundamentos são sólidos, e enquanto o dividendo continuar a crescer irei cada vez comprar mais.

Por exemplo, entre 1972 a 1985, as ações da Procter Gamble PG ficaram lateralizadas. O único retorno colhido pelos investidores nesses 13 anos foram os dividendos. A razão por trás deste mau desempenho deveu-se as ações da PG serem sobrevalorizadas em 1972 antes da queda, rendendo um yield de 1,3%. Em 1985, o dividendo aumentou em 233% e o preço tinha subido só 4,3%. Para os investidores originais que seguraram as ações da PG a preços abaixo do de compra tiveram um aumento do Yield on Cost.

Apesar do fato das ações da PG ficarem lateralizadas por 13 anos, os lucros foram aumentando, e portanto o negócio foi se tornando mais valioso.

Infelizmente os investidores nunca aprendem, e pelo final de 1999, Procter & Gamble (PG) foi negociada a $55 e apresentou um yield de 1,2%. As ações caíram depois de várias noticias negativas da mídia e bateram os $27, demorou 4 anos para recuperar o valor dos top histórico de 2000. Os dividendos da PG haviam subido mais de 50% durante esse mesmo período de tempo.

Para os investidores que compram a Procter & Gamble na década de 1980, estavam tendo elevados YoC. Isso significa que a volatilidade dos preços das ações deve ter assustado muitos investidores e os fundos não colocavam mais posições da PG na carteira.

Outro exemplo notável de queda nos preços enquanto os dividendos continuavam a subir foi do Mc Donalds que saiu de um top em 1999 de $49 para o fundo de $13 em 2003. Isso foi causado pela supervalorização da ação, mesmo motivo da PG, noticias e euforia do mercado fez com que os preços subissem e os yields caíssem.

Tivemos vários exemplo do que chamamos de promoção durante a crise de 2007-2009. As ações da Johnson & Johnson JNJ, McDonalds MCD e outras forneciam fluxos crescente de dividendos aos acionistas e estavam sendo negociadas cada vez mais por valores ainda mais atraentes. Os fundamentos estavam melhorando ano a ano e isso tranquilizava aqueles investidores de dividendos, apesar do fato de que parecia como se a bolsa inteira estava sendo quebrada em pedaços.

Para resumir, investidores de longo prazo devem esperar volatilidade dos preços, mesmo quando os fundamentos de suas ações estão indo muito bem. O que você precisa de saber e definir bem são os seus critérios de entrada e saída de uma ação, por exemplo, sempre que uma ação de crescimento de dividendos corta os dividendos é um sinal claro de que seus fundamentos não estão mais presentes, isso pra mim é um critério de saída que me faz vender a ação a preço de mercado independente se tem lucro ou não.

No caso da Procter & Gamble PG em 1972, 1999 e 2007, apesar do fato dos seus fundamentos estarem sólidos, preço da ação foi superfaturado, que levou a alta volatilidade, o mesmo foi para investidores de Coca-Cola KO, Wal-Mart Stores WMT e McDonalds MCD em 1999.

Outro exemplo, logo após crash de 1987, Warren Buffett começou a comprar Coca-Cola, e quando ela se recuperou ele tinha o custo médio de US $ 3,2475/ação. Para investidores de longo prazo como o Warren Buffett, o fluxo de dividendos continuou aumentando, seu YoC continuou subindo e ele começou a reinvestir esses dividendos gerando mais fluxo de caixa para a Berkshire Hathaway.